fbpx

Foram revelados os resultados do Barómetro e-Shopper 2021, da DPD.

O estudo que revela que 82% dos e-shoppers (compradores no comércio online) consideram que as marcas têm de ser ambientalmente responsáveis, mas apenas 50% destes consumidores garantem que compra produtos amigos do ambiente sempre que possível, e só 43% estão dispostos a pagar mais por produtos e serviços que respeitem o ambiente.

O Barómetro e-Shopper 2021 revela ainda que 65% dos e-shoppers regulares consideram que escolher alternativas de entrega amigas do ambiente é importante quando compram online. Ao mesmo tempo, 70% dos inquiridos relevam que seria mais provável optarem por um website, retalhista ou app com opções de entrega amigas do ambiente, sendo que, quando questionados sobre as opções de entrega que entendem como amigas do ambiente, a maioria dos e-shoppers regulares em Portugal apontam para as entregas através de veículos de emissões reduzidas (58% dos inquiridos).

E shopper dpd

Além da sustentabilidade, outros dos fatores mais destacados pelos e-shoppers regulares no momento de compra online são: a poupança de tempo (86% dos inquiridos acreditam despender de menos tempo quando compram online; a poupança de dinheiro (69% acreditam realizar compras mais baratos no online); e o stress (em que 66% dos inquiridos revelam que comprar online reduz muito o stress de comprar em lojas).

Sobre este cenário, Olivier Establet, CEO da DPD Portugal, afirma que “a sustentabilidade é o maior desafio da atualidade e os consumidores começam, cada vez mais, a ganhar maior sensibilidade a este tema e a procurar opções ambientalmente responsáveis. Por esse motivo, e por reconhecermos a importância de levar a cabo uma estratégia de negócio verde, a DPD tem apostado em soluções que têm um impacto positivo no planeta. Exemplo disso é  o facto de, em Lisboa, utilizarmos apenas veículos elétricos para o transporte de encomendas, uma solução que será adotada no Porto e em mais algumas cidades portuguesas ainda este ano, de forma a contribuir para a descarbonização a 100% das mesmas”.

O impacto da pandemia

Outra das principais conclusões prende-se com o impacto da pandemia no mercado do e-commerce em Portugal, que levou ao crescimento do número de e-shoppers regulares (+11% desde o início da pandemia). Segundo os dados apresentados, atualmente 46% do total de consumidores online no país realizam compras via e-commerce com regularidade, isto é, pelo menos uma vez por mês. O crescimento verifica-se, sobretudo, na faixa etária entre os 30 e os 39 anos, com rendimentos mais elevados (+15% face a 2019) e em ambos os géneros (49% deste grupo é constituído por indivíduos do sexo feminino, e 40% do sexo masculino).

Opções de entrega

No que toca ao processo de entrega, um novo dado em destaque remete para o facto dos lockers serem mencionados, pela primeira vez, enquanto opção para entrega de encomendas, representando a preferência de 3% dos e-shoppers regulares portugueses. Este é um resultado que, segundo Olivier Establet, reflete a aposta da DPD na expansão da sua rede de cacifos inteligentes – hoje cerca de 200 cacifos de Norte a Sul de Portugal – junto de parceiros como a Auchan, Repsol e a Klepierre. A entrega ao domicílio continua a ser a opção mais adotada pelos e-shoppers regulares em Portugal (84%). Atrás desta surgem as entregas no local de trabalho (30%), na loja do retalhista (12%) e numa loja de proximidade (10%).

O estudo

Para o estudo foram inquiridos e-shoppers, com mais de 18 anos, de 21 países europeus e que tenham encomendado bens físicos via online desde janeiro de 2021. Em Portugal, o relatório contou com um total de 1050 entrevistas.

Estas e outras informações serão publicadas na próxima edição da revista Packaging.