fbpx

A DHL Supply Chain Ibérica e a L’Óreal Espanha e Portugal uniram forças na criação do programa “Making Possible a Green Logistic”. O objetivo é alcançar uma cadeia de abastecimento eficiente em termos ecológicos e disso faz parte a implementação de um sistema alternativo para o embalamento de paletes.

Em substituição da película plástica para embalamento de paletes são agora utilizadas mangas de ráfia reutilizáveis com cintas de segurança ajustáveis, que podem ser utilizadas até 1000 vezes. Denominado Big-Belt, o sistema foi introduzido pela DHL na operação logística da L’Oréal Espanha e Portugal.

Jorge Raquita, diretor comercial da Big-Belt, empresa brasileira que patenteou o novo sistema de embalagens, diz: “graças à DHL e à L’Oréal introduzimos o Big-Belt em Espanha, sendo a segunda operação que temos na Europa. Com este sistema, ambas as empresas preveem evitar a utilização de cerca de quatro toneladas de plástico em 2022 e deixar de emitir mais de 13 toneladas de CO2 este ano. Em complemento ao Big Belt, a DHL está a desenvolver um projeto para implementar o uso de Biofilme ecológico, um novo tipo de filme em que 51% do material é oriundo de plástico reciclado.”

DHL LOreal

Green Box 3.0

Além do Big-Belt, a DHL desenvolveu, em conjunto com a L’Óreal, o projeto Green Box 3.0. Através de um novo design de caixas, que inclui quatro modelos diferentes, e a instalação de estações de fecho automático, consegue melhorias significativas. Entre as quais, a otimização do cartão e a eliminação do plástico, uma melhor adaptação aos diferentes volumes de pedidos, uma nova solução adesiva termofúsivel, a diminuição do risco de perdas de encomendas e, por conseguinte, de reabastecimento, ou a melhoria da capacidade dos camiões.

Todas as caixas de cartão utilizadas são feitas a partir de matérias-primas 100% recicladas e recicláveis, com certificação FSC. A iniciativa Green Box 3.0 contribui para o objetivo ‘emissões zero’ com uma poupança anual de 373 toneladas de CO2 para a atmosfera, 66,6% do total do programa “Making Possible a Green Logistic”, diz a empresa.

Além destes exemplos, a DHL está a investigar e a testar novos modelos e práticas a implementar no futuro, para progredir até às emissões zero em 2050.

Centros logísticos mais eficientes

A operação Making Possible a Green Logistic que a DHL Supply Chain desenvolveu para a L’Oréal Espanha é gerida a partir do centro logístico que o operador tem localizado em Quer (Guadalajara), com um armazém de 52 mil m2. “Trata-se de um centro logístico eficiente e comprometido com o meio ambiente, que responde ao desafio global da empresa para conseguir Emissões Zero de CO2 em 2050”, refere a empresa.

Pablo de Valdenebro Garrido, diretor de Operações da L’Oréal Espanha e Portugal, explica que, “através do programa ‘LOréal for the Future’, que envolve toda a nossa cadeia de valor e em colaboração com todos os nossos fornecedores e parceiros, como a DHL e empresas de transporte, decidimos acelerar os nossos esforços para cumprir com os nossos compromissos de salvaguarda do meio ambiente até 2030”.

 

Por sua vez, Anabel Huelmo, diretora da Divisão de Consumo da DHL Supply Chain na Península Ibérica, destaca que “a globalização, digitalização, e-commerce e a sustentabilidade são impulsionadores da nossa estratégica corporativa. Projetos como o desenvolvido para a L’Oréal servem para melhor servir o cliente e toda a sociedade, ao mesmo tempo que dão mais um passo no nosso compromisso para promover explicitamente os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas”.

A L’Oréal é a primeira e única empresa do mundo a obter a pontuação ‘A’ nas três classificações CDP – proteção climática, gestão da água e preservação florestal – durante seis anos consecutivos. Por sua vez, a DHL estabeleceu, desde 2008, metas de sustentabilidade ambiciosas e, em 2017, converteu-se na primeira empresa logística do mundo a definir o objetivo de reduzir as suas emissões de gases de efeito de estufa até zero em 2050 com o seu programa Go Green. Além disso, anunciou um investimento a rondar os sete mil milhões de euros em soluções logísticas neutras do ponto de vista climático até 2030.